Marquesas Islands
Bem-vindos à

"TERRA DOS HOMENS"

Ilhas Marquesas

Raios dourados de filtro de luz através das nuvens suspensas nos picos montanhosos pontiagudos, desenhando um ambiente irreal e sutil. Ilhas exuberantes e altas emergem do Oceano Pacífico, uma terra de história e lendas, todas fascinantes e inesquecíveis. Bem-vindos à “terra dos homens”, as ilhas Marquesas. As Marquesas estão localizadas a 932 milhas (1,500 km) a nordeste do Tahiti e se espalham por 12 ilhas, das quais apenas seis são habitadas.

Marquesas Islands map

Sobre As ilhas Marquesas

9,261
POPULAÇÃO
385 / 620
MI²/ KM²
NUKU HIVA
CENTRO ADMINISTRATIVO DAS ILHAS
3H40
TEMPO DE VOO DO TAHITI

Motivos para ficar nas Ilhas Marquesas

Um show de cultura e natureza

Cercado por penhascos imponentes, a costa das ilhas Marquesas é uma mistura de praias de areia negra e baías maravilhosas. Na floresta tropical deslumbrante, onde milhares de resquícios pré-europeus se encontram, você encontrará cavalos, bodes e porcos selvagens. A natureza é bruta e seu charme é poderoso. Do vale Taipivai até a baía Hatiheu, de Anaho a Hakaui (Vaipo, a maior cachoeira de As Ilhas de Tahiti), o viajante é estimulado a admirar maravilhas culturais e naturais. Os marquesanos têm fama de serem os melhores artesãos em toda a polinésia francesa. Eles criam entalhes grandes e finos, belas tatuagens, joias surpreendentes.

 

Seguindo os passos de Melville no vale Taipivai

Essa é a estória de um marinheiro que tentava fugir de um navio, um navio que ele detestava. Ele desembarcou secretamente em uma ilha árdua, impenetrável. Ele vagou sozinho, mas logo foi recepcionado pelo clã Taipi. Porém, ele temia que eles fossem canibais. Só que eles não apenas o trataram bem (não o comeram!), mas também deixaram que ele – o primeiro europeu – descobrisse sua comunidade desconhecida e intocada. Era 1842. Atualmente, seguir seus passos é uma peregrinação mística, uma vez que o vale abriga centenas de resquícios, como tiki e petróglifos, em uma atmosfera atemporal.

Mergulhos incríveis

Embora Nuku Hiva não seja um grande destino para mergulho livre, ela é, na verdade, muito excitante. O isolamento geográfico da ilha permitiu que uma biodiversidade fenomenal se desenvolvesse. No mar aberto, encontre uma abundância de arraias jamantas, arraias águias, tubarões de diversas espécies e tamanhos, moreias, atuns, golfinhos e peixes espadas. Um bando de centenas de golfinhos-cabeça-de-melão vive próximo à costa e podem ser vistos com frequência.

As memórias de Gauguin e Brel

Em 1901, Paul Gauguin e, mais tarde, em 1975, Jacques Brel, chegaram a Hiva Oa buscando o que poderia ser considerada a paz pessoal interior. Embora não saibamos se eles a encontraram, todas as manhãs, quando o sol nasce, a luz pela ilha é tão pura que tira o fôlego, tão pura que você se sente fazendo parte da eternidade. É um sentimento indescritível que todo viajante vivencia. Percorra essas trilhas artísticas, visitando seus túmulos no cemitério Calvaire, onde ambos repousam, de frente para a baía Taaoa, sob a fragrância suave das árvores de frangipani. Depois, visite a réplica da “Maison du Jouir” de Gauguin e o pequeno museu dedicado ao pintor e sua casa. Enquanto viveu nas Marquesas, ele pintou algumas de suas obras mais famosas, buscando inspiração na vida cotidiana dos habitantes das ilhas e nas lendas e antigas tradições, ao representar cenas imaginárias.

Ilha Tiki

Hiva Oa vale a visita por seus vários sítios arqueológicos, como me’ae em Puama’u, que abriga a maior estátua tiki de As Ilhas de Tahiti. “Takaii” (8 pés / 2,4 metros) é uma estátua sorridente única, escondida em uma vegetação deslumbrante. Petróglifos, como o espelho de pedra polida da Chefe fêmea de viagem, estão nas redondezas. Taaoa é a casa de uma grande área de culto, com estruturas líticas e estátuas tiki que se misturam perfeitamente com a natureza intocada e primitiva ao redor delas: gigantes árvores de banyan, árvores de fruta-pão, coqueiros e pés de mamão.

Oportunidades sem fim de caminhadas e passeios

Se for caminhar, andar a cavalo ou de 4X4, explore as paisagens intocadas e de tirar o fôlego de Hiva Oa, com cachoeiras, picos, vaus e rios que cruzam. São 123 milhas quadradas de prazer para os amantes da natureza.

Oportunidades sem fim de caminhadas e passeios

Se for caminhar, andar a cavalo ou de 4X4, explore as paisagens intocadas e de tirar o fôlego de Hiva Oa, com cachoeiras, picos, vaus e rios que cruzam. São 123 milhas quadradas de prazer para os amantes da natureza.

As Ilhas Marquesas

Nuku Hiva

Se Deus tivesse uma “mansão” simbolizando as ilhas Marquesas, a maior delas – Nuku Hiva – representaria o topo da estrutura. Os picos vulcânicos vertiginosos e os declives surpreendentes se misturam com o azul do Oceano Pacífico. Um universo especial abre suas portas. O ponto de partida de sua aventura é Taioha’e, a capital regional do arquipélago, que se abre ao final da grande baía que leva o mesmo nome, com paisagens excepcionais, uma história arqueológica incrível, grandes estórias e uma rica cultura, a serem descobertas em meio a uma população amigável.

Hiva Oa

De acordo com a lenda, Hiva oa é a viga principal da “mansão” de Deus. Hoje em dia, é comumente chamada de “jardim das Marquesas”, graças a sua terra fértil e deslumbrante. A ilha apresenta uma natureza intocada interminável: verde, invasiva e luminosa. As vias e casas raramente são vistas. As paisagens rústicas da ilha misturam cumes pontiagudos, picos e vales repletos de sítios e ruínas arqueológicos. Eles abrigam as maiores estátuas tiki da Polinésia Francesa. Hiva oa é costeada por praias de areia negra e penhascos pontiagudos que levam ao Oceano Pacífico.

A vila principal da ilha, Atuona, é abrigada ao fim da baía Taaao e rodeada pelas montanhas mais altas (Monte Temetiu – 4.186 pés e Monte fe’ani – 3.366 pés). Também é o local onde dois artistas famosos decidiram morar: o pintor francês Paul Gauguin e o poeta, cantor e ator francês Jacques Brel.

Ua Pou

Ua pou simboliza os pilares de entrada da casa de Deus. Colunas basálticas gigantes chegam até o céu e levam o nome de guerreiros lendários: Poutetaunui e Poumaka. Em 1888, inspiraram o poeta Robert Louis Stevenson, que se referiu a elas como “flechas vulcânicas com a aparência de uma torre de igreja”. Eles cercam com imponência a baía da vila Hakahau, a principal vila da ilha.

Ua Huka

Ua Huka simboliza a “cesta de comida” na casa de Deus e apresenta mais belezas intocadas, sendo conhecida por seu solo seco e paisagens. Cavalos selvagens galopam até onde os olhos alcançam nessa terra cor de deserto. Bodes escalam as planícies altas da ilha. Pacífica e mística, Ua Huka estimula o viajante a descobrir um universo recluso, onde os ancestrais da ilha não fazem parte apenas do passado, mas ainda fazem parte de grande parte do cotidiano dos habitantes locais.

Tahuata

Tahuata simboliza “nascer do sol” ou “o lar iluminado” na casa de Deus: uma imagem poética que também expressa a realidade. Pequena, o único acesso a Tahuata é por mar, de Hiva oa. A ilha oferece descobertas charmosas para o viajante privilegiado. De seus vales férteis até as baías cristalinas, Tahuata é um refúgio de paz único, um local de história e criatividade. A maioria dos habitantes vive de seu artesanato fino belíssimo, como entalhes de ossos e pau-rosa – ou miro (Thespesia populnea). Mono’i é feita seguindo aromas com tradições e segredos, como um convite para um perfume fascinante lindamente chamado de “poção de amor” pelos habitantes da ilha.

Fatu Hiva

Fatu Hiva simboliza o teto da casa de Deus: uma ilha pequena, mas surpreendente. Ao chegar por mar, você é recepcionado por paisagens puras e vegetação intocada.  Fatu Hiva hipnotiza os visitantes. Em 1937, Thor Heyerdahl e sua esposa, na busca por um verdadeiro retorno à natureza, se estabeleceram na ilha para viver como no início do novo mundo. Pouco mudou desde então. Hoje, a maioria dos habitantes locais mora na vila de Omoa, onde fabricam tapa tradicional e famosa, com casca de árvore. Hanavave abriga uma baía sensacional: a baía das Virgens, provavelmente uma das baías mais belas da Terra, especialmente no crepúsculo, quando a luz brilha nos picos vulcânicos, fazendo com que a paisagem se torne um cenário irreal e inesquecível.