Tuamotu Islands
76 Islands & Atolls

Home to Pearl Farms

Outras Ilhas de Tuamotu

Contando com as fantásticas praias de areias brancas ladeadas por coqueiros, um oceano cristalino de águas mornas, as 76 ilhas e atóis que integram o Arquipélago Tuamotu se distribui sobre uma área com mais de 2 milhões de km2. É uma terra em que a estória de Robinson Crusoé poderia ter de fato ocorrido.

Mantendo-se à altura de sua reputação, as ilhas de Tuamotu são uma experiência obrigatória para mergulhadores experientes. As lagoas dos atóis são um paraíso protegido nas quais a vida subaquática é um verdadeiro espetáculo. A área também é o berço da lendária pérola taitiana cultivada, produzida com amor, paciência e respeito, acolhida em uma elegante ostra azul. Fazendas de pérola flutuam com leveza nas lagoas de Tuamotu onde as jóias obtêm suas cores e tons singulares.

Alguns atóis de Tuamotu se resumem a praias brancas infindáveis, com alguns alqueires de plantações de coqueiros. Outros, como Rangiroa, o segundo maior atol no mundo, são muito maiores.  Estas mini-ilhas paradisíacas, pontilhadas de forma maravilhosa em meio ao oceano azul-claro, são remotas, porém de fácil acesso por barco/avião sem escalas por Papeete.

Você encontrará pensões familiares/hospedarias na maioria das ilhas, e os atóis maiores sediam resorts internacionais, onde visitantes de todas as partes do mundo são bem-vindos. Localizadas a 1600 km ao sul do Tahiti, passando pelos atóis de Tuamotu, emergem as mais reclusas e remotas ente as Ilhas do Tahiti: as Ilhas Gambier. Esta é uma jóia natural e cultural preciosa, que os visitantes por vezes descobrem por acaso, mas da qual voltam completamente seduzidos.

map of Tuamotu Islands

Sobre as Outras Ilhas de Tuamotu

72
OUTRAS ILHAS DE TUAMOTU
994 / 1599
MI. / KM AO SUL DO TAITI
ROBINSON CRUSOE
ESTILO DE VIDA
MERGULHADORES
PARADAS OBRIGATÓRIAS

Takapoto

Maravilhoso e intocado, o atol Takapoto é um paraíso dos sonhos. Descoberto pelos exploradores franceses Jacques Lemaire e Willem Schouten, Takapoto é uma ilha fechada sem um canal de fato, permitindo o encontro da lagoa com o oceano. Por este motivo o atol permanece tão intocado.  É também o lar da famosa pérola negra (da ostra Pinctada margaritifera), o principal recurso natural da ilha. Os visitantes aproveitarão os diversos parques de peixes feitos de pedra coral.

Anaa

O anel coral de Anaa ainda hoje é reconhecido pelos marinheiros polinésios graças à cor esmeralda brilhante de sua lagoa. O atol não tem um canal e abriga o espetacular feo, enormes blocos de coral elevados a 3 metros da lagoa.

Mataiva

Localizado na extremidade noroeste do Arquipélago de Tuamotu, Mataiva é um pequeno atol surpreendente. É a única lagoa da Polinésia Francesa que abriga 70 piscinas naturais internas de cerca de 8 metros de profundidade com nove canais. Daí o nome “ilha dos nove olhos”. Um verdadeiro aquário tropical. Mergulhadores e outros visitantes se encantarão com a bela lagoa rica em peixes.

Hao

Descoberta por Pedro Fernández de Quirós em 1606, Hao, também chamada de “Ilha do Arco” ou “Ilha da Harpa” em razão do seu formato, contém uma das maiores lagoas na Polinésia Francesa. Aberta ao oceano através do canal de Kaki, a imensa lagoa é uma massa submarinha que oculta verdadeiros tesouros à espera da descoberta. Estrelas e ouriços do mar e crustáceos são apenas alguns entre os habitantes do recife de coral, também visitado por dourados-do-mar e o peixe lúcio.

Makemo

Makemo é uma obra de arte esculpida pela erosão natural ao longo de milênios. A areia é uma mistura de rosa e vermelho por causa dos microorganismos que se desenvolvem nestas águas rasas.

A alguns passos da costa repousa uma preciosa piscina natural que recebe banhistas em águas claras de tom turquesa. Este é realmente um recanto maravilhoso em que sonhos e lendas se encontram com as suas mensagens ainda transmitidas pelos antigos guardiões da ilha.

Ahe

Localizado entre Rangiroa e Manihi, o atol Ahe é o lugar para visitantes em busca de autenticidade. Pontilhada com fazendas de pérolas pitorescas, este é um dos atóis mais dinâmicos das Ilhas do Taiti. Visite uma fazenda de pérolas e descubra todos os segredos desta fantástica atividade, descobrindo também a paixão e respeito que os ilhéus têm por este ambiente celestial, porém frágil.

Reao

Você chegou ao limite do mundo. Reao está distante de tudo, perdido e intocado. A ilha em si desencorajou os mais impetuosos navegadores da história. O navegador francês Louis Isidore Duperray foi o primeiro a atravessar o cabo em 1823, batizando-o de “Clermont-Tonnere.”

Kauehi

Bem conhecido por comerciantes de pérolas no século XIX, este atol foi mencionado pela primeira vez nos escritos do capitão britânico Robert Fitz Roy em 1835. Entre 1838 e 1842, a expedição norte-americana liderada por Charles Wilkes nomeou a ilha de “Vincennes”, mesmo nome de seu navio.

Aratika

Aratika está localizada a 484 km ao nordeste do Taiti e a 21 km de Fakarava, que possui autoridade administrativa sobre a ilha. Tal como Fakarava, o atol é parte de uma Reserva de Biosfera da UNESCO graças a seu patrimônio natural e cultural.

Apataki

Parte da região administrativa de Arutua, Apataki é um pequeno atol localizado a uma distância de 10 milhas náuticas. Ele tem o formato de um trapézio. A vila principal é Niutahi, onde a maioria da população está concentrada. A maioria dos habitantes locais ganha a vida com o cultivo de pérolas, pesca e copra (polpa do coco). Visite a motu Ruavahine ao sul do atol para descobrir um verdadeiro paraíso de aves marinhas.

Arutua

Arutua é uma ilha em formato de anel também conhecida como Ngaru-atua, que significa “onda quebrante vinda de longe”, ela está localizada a 18 milhas náuticas ao leste de Rangiroa. O atol abrange cinquenta motus que circundam uma enorme lagoa contendo uma ilhota ao centro. A vila, Rautini, é onde a maior parte da população de Arutua vive. Muitas áreas de piscicultura pontilham a lagoa. A pesca e o cultivo de pérolas e de copra respondem pela renda da maioria do povo de Arutua.